Topologia do saber: verdade do dizer, virtude no fazer. Ter parece Ser, mas, não-é. Opinião Crítica. Textos votados à reflexão filosófica e à busca da emancipação do Sujeito que É, já que Sou. Problema nenhum há em estar-além, o grave problema é mesmo ficar-aquém! Discordar com respeito é civilizado, mas refutar com elegância é superior!

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

RELATOS

05-10-1999

Relatos
__________

Lembro-me como aconteceu,
quando comecei a te amar.
Mesmo antes de saber
meu viver já estava lá.
Ali eu me encontrava só,
olhando o vai-vem do mar.
Você tão triste se chegou
e disse: vamos conversar.
Contou-me um pouco de si,
sentia-se tão sozinha.
Olhei pra ti e falei:
- a tua dor também é minha.
  Não podes entregar-se à angústia,
  na vida passamos por isso,
  mas é preciso ir em frente
  e agora dê um sorriso.

Você sorriu e me olhou,
também sorri e te olhei.
O meu cabelo alisou.
À tua face toquei.
Ficamos estáticos,
longe por um instante,
sentindo aquele momento
tão profundo e marcante.
Disse-me:
- tu és amável e consegues me entender.
  Mas já falei muito de mim,
  agora fale de você.

Eu falei de minha vida,
de minha história até ali,
o que faço no dia-a-dia
do acordar ao dormir.

-Esta paisagem é tão bela
 e eu não conheço nada aqui.
- Mostrar-te-ei um lugar secreto,
  o mais bonito que ja vi.

Segurou a minha mão,
a um riacho me levou -
passava por uma gruta -
aquela gruta me mostrou.
Lá havia algas marinhas,
peixes dourados e uma flor:
uma vitória-régia
que regeria nosso amor.
Voltamos juntos à praia,
sentamos e olhamos o mar.
Depois deitou sobre meu peito,
pus-me a lhe acariciar.
Peguei uma rosa e uma vermelha,
as rosas do amor e da paixão. 
Prendi a rosa em seus cabelos,
pus a vermelha em suas mãos.
Despetalou-as, suavemente,
bem-te-quero com paixão
e o mar levava as pétalas que caíam sobre o chão.
Já é fim de tarde, o Sol vai se retirar.
Peguei-a pelas mãos, fomos nós a caminhar.
Caminhei de braços abertos,
sem me importar com o depois,
com as ondas quebrando em meus pés
e a brisa secando nós dois.
-A primeira estrela surgiu,
 é hora de fazer um pedido.
-Pedirei para ficar sempre,
 ficar pra sempre contigo.
 Estamos felizes e isso e tudo,
 trocando gestos tão ternos.
 Voto pra que esses momentos
 pra nós sejam eternos.

Ficamos de rostos colados,
!Mira que cosa loca!
Olhei-a bem fundo nos olhos,
depois beijei sua boca.

- Esperamos um pelo outro,
   esquecemo-nos da dor.
- Que caia chuva de flores
   e eternize nosso amor.

Fellipe Knopp

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Opusculo de Ninrode

Opusculo de Ninrode
____________________ 

Eclipse concreto 
de arranha-sonho,
devastidao por decreto, 
cataclismo medonho.
Ergue impressionante torre 
cultura de sua imagem
soberba da núvem escorre
infíbula paisagem.
Planta de raiz quadrada,
cinzento adubo, abjeto,
seca sob a úmbria estrada,
inânimo projeto.
Ronco particulado (expira):
seu réquiem baticundo,
solfejo desvairado
qual menestrel de submundo.
Enigma retumbante,
altiva plataforma colossal.
Estigma d'um ávido semblante
em forma de ilusao expectral.
Interlúdio de uma melodia tórrida  
à meia-luz se espraia
na amplidão do assombro.
Crepúsculo em agonia sólida
enquanto a lua raia
augurios Iluminosos
cortejos suntuosos 
consternam escombro

Fellipe Knopp

Opúsculo a Ninrode

Opúsculo de Ninrode
____________________ 

Eclipse concreto 
de arranha-sonho,
devastidão por decreto, 
comina secreto,
cataclismo medonho.
Ergue impressionante torre 
cultura de sua imagem
soberba da núvem escorre
infíbula paisagem.
Planta de raiz quadrada,
cinzento adubo, abjeto,
seca sob a úmbria estrada,
inânimo projeto.
Ronco particulado (expira):
seu réquiem baticundo,
solfejo desvairado
qual menestrel de submundo.
Enigma retumbante,
altiva plataforma colossal.
Estigma d'um ávido semblante
em forma de ilusao expectral.
Interlúdios de uma melodia tórrida  
em suspenses astuciosos
à meia-luz se espraia
crepúsculo em agonia sólida
enquanto a lua raia
augurios luminosos
na amplidão de assombros,
cortejos suntuosos 
consternam escombros

Fellipe Knopp

sábado, 12 de agosto de 2017

Juizos sinteticos a posteriori definem se por categorias de funçoes intrinsecas a constituiçao formal do objeto implicitas a apodizaçao conceitual do mesmo excedente ao seu entendimento
Numa tese fenomenologica que nao seja hipotetico dedutiva as premissas apresentadas em forma de alegaçoes caracteristicas de juizos de existência nao autoevidentes ou nao axiomaticas para nao permanecerem arbitrarias devem ter confirmada ou corroborada sua validade categorica assertiva pela demonstraçao de um conjunto probatório suficiente de evidencias empiricas, logico formais, ou probabilisticas que podem ser caracterizadas por convergencia de depoimentos ou postulados oficialmente declarados idoneos pelo protocolo institucional competente de aferição para prosseguimento do encadeamento ordinário de acarretamentos logicos racionais ou assertivos que suportem assertivamenente juizo de atribuiçao testificado dialeticamente por argumentação coerente com os preceitos. Obviamente havendo divergencia denunciada quanto a idoneidade autorizada do postulado protocolar utilizada como conjunto probatorio de confirmação oficial dos pressupostos eles teriam de ser revalidados por um processo de analise investigativa epistemológica ou as premissas confirmada por outras evidências. Pata demonstrar a assertividade de uma premissa hipotetica a partir da procedencia derivada de uma sentença dedutiva correlata utiliza se o metodo indutivo ou dialetico. Ex:
_ Socratis e mortal porque e homem.
_Mas por que Socratis e mortal por ser homem?
_Porque todo Homem e mortal. Porque ao longo de toda historia humana jamais houve comprovadamente qualquer homem imortal. Note se: fulano morreu, beltrano, sicrano, fuletrano etc. Correto?
_ Sim
_ Mostre me um que nao tenha morrido
_ Certo. Dou me por satisfeito. Em sendo todo homem morral como provaste por evidencias e sabendo se que Socratis e Homem logo tua conclusão de que ele e mortal esta confirmada por presunção
O blefe comercial que esta na moda em economias perifericas de comodities "primarias" e o tal do posicionamento de marca que pretensiosamente arbitra elevaçao do valor agregado ao produto sem agregar qualidade inerente, apenas por elaborar uma estrataegia sedutora de marketing por produzir uma codificaçao operacional da linguagem estetica para redefinir a fascinaçao identificatoria do paradigma ideologico do comportamento de nicho consumidor com os valores referentes a estratificaçao socioeconomica para a fruiçao imaginaria do status reputativo da presunçao de sucesso pela ostentaçao do fetiche de mercadorias  como simbolos eminentes de consumo pretenso qualificado

sexta-feira, 28 de julho de 2017

LIBERTAS

11/2004



Meu projetos foram mutilados
Minha voz calada
Meus membros ultrajados
E não me deixarão nada?!
A terra está destruída
Meus grãos não vingarão?
Como está minha vida
Não me calarão
Tentam coagir-me
Mas não vou me acovardar
Faço meu destino
"viver é lutar"*
Dedico minha vida
Ao princípio que seja maior
O sangue, a força, a lida
A vida agora, e melhor
Que um sorriso volte
um discreto brilho no olhar
capataze me solte
Que eu possa andar

Ao homem que faz sua história
Não há nada que dela o prive
Pois sempre haverá heroísmo
Ali onde um dia foi livre
A voz sufocada na alma
Com o ímpeto da verdade
explodirá quando provocada
Em gritos de LIBERDADE

FELLIPE KNOPP

* Canção do Tamoio. Gonçalves Dias.

Leia mais em: http://webartigos.com/artigos/libertas/40039#ixzz4oB0Ux8AD

terça-feira, 25 de julho de 2017

As citações em teses são depoimentos que corroboram mas por si só não são autossuficientes para comprovação definitiva, mas antes ratificar assertivamente, da premissa podendo também funcionar como premissa subsidiária ou inferior e mesmo antítese. As hipóteses são análogas as linhas de investigação criminal. O exercício intelectual engloba tanto o raciocínio contraintuitivo como também a percepção fenomenal intuitiva disciplinada paradigmáticamente orientada por parâmetros oriundos da detecção e rastreio de um problema para a delimitação do objeto bem como a imaginação para formulação coerente de hipóteses factíveis. Todavia não raro citações são utilizadas como postulados com recurso a autoridade protocolar como álibi mediante a insuficiência de evidências mesmo circunstâncias a fim de confiar arbitrária idoneidade pretensa comprobatória a premissa dogmática como simulacro de axioma autoevidente

Fellipe Knopp 

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Trinta anos de idade entre dez mal-vividos
ecoam sôfregos àquele redemoinho de notas quebradas
nas aurículas de uma alma desbotada
repercutindo o timbre oco de um tempo promissor esvoaçado
como se eu quisesse cultivar brisas num jardim de memórias cinzas
tentando congelar o tempo numa gaiola de pensamentos pálidos
em penumbras de palha seca

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Supondo se acima do bem e do mal e presumindo se desobrigados em relação aos princípios e leis do mundo ordinário acharam que eram deuses do Olimpo malogrando exercer seu simulacro de sorrateira influência pseudo espiritual manipulando massa de manobra como instrumento oblíquo concorrente ao propósito de materializar suas decisões deliberativas para tentar determinar meu destino mas quando o feitiço se voltou contra os aprendizes reprovados de feiticeiros sofreram sua insuportável ferida narcisica em função da qual pretendem revanche

sábado, 1 de julho de 2017

A crise histérica procede da percpçao de que a negação não funda ordem mas depende da estabelecida para se afirmar como ente próprio. A ilusão prematura feminina e que o pênis e o falo real capaz de proporcionar um poder de gozo superior, senão ilimitado, uma vez que aquilo que se projeta excessivamente no corpo do outro demarca-lha uma negatividade desvantajosa conflagrada pela posição fundadora do outro
Do Abjeto mítico edipiano a asserção de certeza antecipada pela boa hipótese criticamente afigurada pela angústia de castração feminina do pênis como falo induz o homem ao suposto saber da mãe simbólica como  objeto perdido ao seu gozo fálico
A posição passiva desejante demandada do gozo feminino se define na condição histérica em função do sexo do outro e do masculino define a compatibilidade do outro sexo em função da autoafirmaçao do próprio sexo
A angústia de castração masculina de caráter obsessivo se reportar primitivamente ao complexo de castração como ausência de objeto A situado no Incs enquanto o.complexo de castração feminina na posição histérica se define em função do pênis como símbolo fálico: diferenciador originário deferenciante que sobredetermina a posição castrada inicialmente passiva do gozo feminino definido categoricamente pela afirmação do desejo do Outro como demandada em cuja identificação especular aspira ser reintegrada plenamente ao gozo ordinário como eu para um outro, em vez de Aoutra de alguém, por intermédio de seu eu ideal 
A sexuaçao se elabora como diferença categórica de gênero típico a partir do Abjeto mítico edipiano declina à asserção de certeza antecipada pela boa hipótese criticamente afigurada pela angústia de castração feminina que presume pênis como falo induz o homem ao suposto saber que precipita à conclusão retroativa extemporânea da mãe simbólica como  objeto perdido ao seu gozo fálico

segunda-feira, 5 de junho de 2017

GEHENNA

04/10/2003

REG:768.889 LIVRO:729 FOLHA: 531

"Silenciosamente você conhecerá a beleza, você conhecerá a verdade, você conhecerá o amor; amando você conhecerá o silêncio"
 (O livro Nod)

Não olhe seu semblante para amaldiçoar, pois sei da beleza de dentro da alma, e nenhuma maior há. Mas, oh, criança da noite, é só, e não tem jeito, "foste feito para ser desfeito"(id); não julgues com ódio, não olhes os defeitos.
Não sangre teus dentes, sujando teu coração, que a noite não foi uma escolha, mas uma maldição, e sei que te iras e rasgas, pela dor no coração, e não tentarei te impedir,não te direi que não, pois sei, será em vão.

Nem no colo da virgem, sequer no da prostituta, apenas provou seus fundos cortes e largos e ainda bebeu de teu próprio sangue, amargo. Amargo como o gosto da vida, que te apreende ao medo e te oferece em sacrifício aos vis. Alegria em ti não mais vi. Olhei-te nos olhos e não te reconheci, de tanta que os cobria, de tanto rancor que se lhes banhava. Tanto se pode ver, pelo que algo queria mas nada podia ter e até sua mais pura virgem negou-se a você.

Olhe meu rosto, o vermelho do meu olhar,
O que meus sedentos lábios querem provar.
Querem provas de amor, querem provas de comunhão, querem vinho, querem pão.
Querem arte e beleza, beijos de paixão,
Juras, pacto, silêncio, tesao.

Quero o frio, quero a noite,
Quero o ouro e a oração
Som de flauta, luz de velas,
Quero a flor em minha mão
Quero o livro dos segredos
E sossego para ler
Quero chuva e lua cheia
Quero-te, quero ter
Quero as gotas do orvalho
Quero o inverno glacial
O sereno congelado
E se aurora a boreal
Quero a sombra das lembranças
Os desejos mais profundos
Quero planos ocultos
Outros mundos

Ve-se a árvore crescer
Faz do fruto-coraçao
Sua seiva a escorrer
Desce o tronco até o chão
Cai na terra umedecida
Germinando o seu grão
Sintetiza à luz da lua
Sua multiplicação

Sinta arderem tuas veias
Sinta angústia e até pavor
Sinta a dor de teu desejo
Mas não chores por amor
Sinta medo e até tristeza
Sinta a morte, sinta dor
Mas retenha tua fraqueza
"nunca abrace por amor" (ibid.)

Olhe dentro de seus olhos
Sugue deles teu prazer
Mas não mostre tuas pupilas
Nunca as deixe ninguém ver
Diga bem, diga te quero
Minha criança ou minha flor
Mas não renda sentimentos
Nunca diga meu amor

Fellipe knopp

La Rapariga de Castella

09/11/2004


Romântica, sempre romântica
Como qualquer um
 que avia a própria dor
Ao ver se abrirem fundos
seus cortes
Como toda romântica
 não crês no amor
Apenas na morte
Pensa
Pensa na dor
Pra não senti-la
Morte
Pra só sentir
Amor
Fellipe knopp 

terça-feira, 16 de maio de 2017

Usina de fogo-fátuo

 Não vivo sob tuas asas
meus hábitos não são tua casa
não me dou à trapaça
nem trabalho de graça
em propósito de canalha
rato imundo
não sou dínamo de gentalha
nem motor de vagabundo
em letargia
para furtar-me a energia
que produzo em sacrifício
para meu próprio benefício
como me convier
e pra quem eu quiser
com meu cautério
segundo meu próprio critério
sem ter de me explicar
conforme àqueles a quem eu autorizar
do modo e momento como eu declarar.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Rasga o tempo derretido
à escuridão do feixe
que a solidão não medra
como a tantos
se dobra
cospe o beijo que se alvora seco enquanto
pulula errante em cada canto
amputa a mão
de quem pagando peixe lhe deu cobra
e quem devendo pão
lhe pôs pedra
no caminho aturdido

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Édipo como vislumbre mítico fracassado de gozo fálico sexual do Abjeto materno e um natimorto tentando recobrar suas memórias prenatais: seu sentido retroativo apenas se torna suficientemente determinável retornando ao ponto de partida que se torna também a chegada como ruptura e superação na qual o meio vislumbrado para restabelecer a plenitude por uma forma determinada de gozo se revela a ilusão da presunção imaginaria especular como intuitiva e primariamente um objeto ambivalente e funcionalmente inespecifico
O incessante deslocamento sintomático de aparente desconexão categorial elementar quanto a definição imaginária do objeto destinatário até que por um cerceamento externo lhe imponha uma finalidade os fluxos intempestivos desordenados de seu sintoma afetivo está sistemicamente correlacionado por sobredeterminaçao a regressão a pregenitaçao em virtude das repressões economicamente mais intensas a um estado semianarquico da organização fasica da investimento da libido desfixada  de tal modo que em meio a crise patológica não consegue alcançar independentemente sua autoestabilidade funcional. E por que a catexia sexual que se define seu objeto em função da fixação genital não provoca nesse sujeito um estado obsessivo ao regredir as fases prefixadas em vez de histeria? Pressuposto a não determinação da catexia senão quanto a tipicidade do objeto imaginário de destinação em vez da estabilidade funcional de um padrão ordinário para a caracterização constitucional da histeria convém propor ao menos duas hipóteses:

1- na histeria as fixações fasicas evolutivas jamais forma suficiente e funcionalmente consolidadas e por isso não logrou êxito em estabelecer um objeto referencial autarquicamente

2- Diferente da obsessão a definição catexial do objeto sexual não é estanque determinante do caráte ordinario do padrão funcional do sintoma e de sua regressão contrainvestida que está implícita no âmago patogênico do sintoma

3 - apenas a relação de regulação econômica das intensidades e determinante patogênico para ambas as tipicidades

Fellipe Knopp 
A obsessão compulsiva estabelece uma dicotomia constituida por duas funções conexas: em sua condição negativa ela é investida em repulsão aversiva a tudo que significativamente compromete a integridade do padrão ordinário ideal no qual se destina seu empenho positivo de atração para preserva-lo/restabelece-lo, alternando se condições diametralmente entre  estado explícito e implícito

Fellipe Knopp 

quarta-feira, 10 de maio de 2017

A angústia suscitada no homem como temor da castração não experimentada  não encontra parâmetro precisamente definido pelo caráter peculiar da relação narcisica tipicamente pontuada em função da imago genital, o sentimento de perda que se manifesta pela percepção da diferença sexual do sexo oposto que a sua asserção precipitada lhe aparece mutilada procede então da presunção de uma suposta vivência primitiva de destituição definitiva de uma forma de goza indeterminadamente imemorial que como tal pela inespecificidade de sua objeção referencial ou destinatária que lhe fixe sua função ordinariamente estável se impõe em sua abrangência incomensurável quanto incontrolável como a pululaçao variante sintomática que subscrevendo se a ordem do gozo fálico institui sua metafunçao a retrodeterminaçao implicante de seu domínio concluído como angústia de morte ante a falta de sentimento do gozo que da sentido à vida: qual? A obsessão o definirá por uma impetuosa convicção em identificações imaginárias como objeto de gozo fálico a partir dos deslocamentos provocados pelas repressões econômicas regulatorias das instâncias pregenitais que a posteriori fixa se o fetiche sexual que estabilizara pela prioridade obstinada da função o próprio sentido tardiamente sofistico de sua angústia incipiente como de castração


FELLIPE KNOPP

terça-feira, 9 de maio de 2017

Detesto essa apologia tosca de rameira serviente dissimulada de queixume a respeito de uma impostura suposta machista de pangare metido a garanhao rururbano de pé sujo por cujo narcisismo de metano lacaia se fascina fingindo indignação resignada quanto ao estupor em expressões exacerbadas de atributos de virilidade  superlativa apreciada, subrepticiamente referida por adjetivos hiperbólicos
O brasileiro tem predisposição ampla a corrupção a partir disso tudo é motivo propulsor para precipitar a consumação de seu deturpado fetiche vanglorioso até mesmo a desvirtuadora influência histórica de corporações privadas inidoneas mequetrefes como a do clube de xadrez do Bolinha de loja esotérica de materiais de construção quebra-galho , que exercem atividades sejam suspeitas ou constatadamente ilícitas, concubinadas com o poder público em relações eticamente promíscuas
Quando o sujeito desloca proliferamente a distinção típica de gênero para tudo que são relações extrínsecas manifesta um sintoma de que a definição de sua própria orientação sexual não está muito bem consolidada em seu fundamento característico de tal modo que se exprime como insegurança quanto a suficiência de sua capacidade de autodeterminar sua própria predileção sexual de gênero e por conseguinte malogra atribuir personificação capaz de sexualizar até a operação utilitária de uma porta ou de um elevador predial desconsiderando a impessoalidade que constitui condições comuns entre gêneros ou alheias a essa relação e mesmo obsessivamente pode indicar uma sintomática de latência homossexual de demanda reprimida que propulsione o temor  de extinguir se a fatua referência quanto seu papel relativo a (sua tênue) diferença sexual  que lhe jaz esmaecida
A mídia influência a opinião pública para pressionar com suas coações simbólicas indivíduos íntegros de caráter a assumirem posturas que correspondam a expectativa ideológicamente condicionada à presunção de que pessoas honestas são emocionalmente frágeis e amedrontadas em mansidão pela suposta benevolência excessiva que as motiva enquanto se insinua que a coragem presume se uma condição inerente à soberba desinibida e narcisismo sem auto censura
As relações cívicas no brasil há muito se degeneraram num balcão clandestino de negócios escusos que barganha vantagens promiscuas pelo mero reconhecimento óbvio da verdade como  faculdade moral de uma realidade eletiva
Liderança carismática e aquela dotada de capacidade elevada de mobilizar conduta coletiva por persuasão ideológica pacífica capitaneando demandas sociais potenciais para um fim comum em função de seu prestígio pessoal como líder cuja personalidade seja cultuada como ídolo
A musa inspiradora pode ser meramente um modelo idealizado que concentre os atributos esperados a definição condicionada do destinatário real da aspiração ao vínculo afetivo, alguém por intermédio de quem se tem a experiência elevada da beleza em uma forma primorosa de manifestação através da qual se vislumbram todas as formas de sua expressão