Topologia do saber: verdade do dizer, virtude no fazer. Ter parece Ser, mas, não-é. Opinião Crítica. Textos votados à reflexão filosófica e à busca da emancipação do Sujeito que É, já que Sou. Problema nenhum há em estar-além, o grave problema é mesmo ficar-aquém! Discordar com respeito é civilizado, mas refutar com elegância é superior!

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Requiem ofegante dos uivos inermes

Abdicou de ter vergonha
Em teus rompantes ardidos
Sacrificou a própria identidade
no altar em ode ao amor bandido
vive nele seu próprio eu
Como se d'ele fosse
Feridas de seu orgulho lambeu
Teu ventre abrasivo se contorce
Gemidos pingam exalados
Teu dorso alquebrado
Contraído e desfrutado
Em declínio te ofereces em trégua
Seus domínios delineados
Metrificados a régua
Pra aceitar, todo apetite
Sua vontade de dar se a contra gosto
Deleitando se no enrosco
Rosto a rosto
até que exausta palpite
Resignada, sussurra leniente
Inelutante, reticente
Flagela se à  fúria em torpeza
Contentando se resiliente
Se rendendo a luxúria ardente
Do algoz um amante:
sua volúpia e avareza
Se arrepia instigada ao ensejo
a urticaria te deixa então proza
Tua dor se mistura ao desejo
E teu ser enfim todo goza

Fellipe Knopp 

Nenhum comentário:

Postar um comentário